quarta-feira, 7 de abril de 2010

Olha Isso: Contêineres viram moradias coletivas

Fonte: Planeta Sustentável

Na França, o escritório de arquitetura Olgga Architects criou projeto que prevê construir repúblicas estudantis a partir da reutilização de contêineres


Olgga Architects


Os contêineres, usados para atravessar os oceanos levando as mais diferentes cargas de um continente a outro, agora têm uma serventia muito mais curiosa, graças ao escritório francês Olgga Architects. A ideia é criar moradias estudantis usando os cofres de carga como dormitórios para alunos universitários. Empilhando os contêineres (que são mesmo construídos para serem sobrepostos e aguentar o peso), é possível criar moradias em menos espaço – e, claro, com menos impacto, uma vez que os depósitos de cargas podem ser reutilizados. Para adaptá-los em quartos, o time de arquitetos e designers criou um espaço otimizado com cama, armário, escrivaninha e poucos móveis para receber um estudante com o mínimo de conforto.

A frente é toda aberta para aproveitar a luz natural e economizar energia. “E o melhor é que os contêineres são pré-fabricados e montar um complexo para uma centena de estudantes não leva mais de seis meses”, afirma Valentine Michelier, diretor de comunicação do Olgga. O projeto piloto deve ser inaugurado ainda este ano em Le Havre, região universitária no norte da França. Se der certo, o plano é espalhar esse conceito de moradia coletiva e sustentável para outro países.

Os contêineres, usados para atravessar os oceanos levando as mais diferentes cargas de um continente a outro, agora têm uma serventia muito mais curiosa, graças ao escritório francês Olgga Architects. A ideia é criar moradias estudantis usando os cofres de carga como dormitórios para alunos universitários. Empilhando os contêineres (que são mesmo construídos para serem sobrepostos e aguentar o peso), é possível criar moradias em menos espaço – e, claro, com menos impacto, uma vez que os depósitos de cargas podem ser reutilizados. Para adaptá-los em quartos, o time de arquitetos e designers criou um espaço otimizado com cama, armário, escrivaninha e poucos móveis para receber um estudante com o mínimo de conforto.

A frente é toda aberta para aproveitar a luz natural e economizar energia. “E o melhor é que os contêineres são pré-fabricados e montar um complexo para uma centena de estudantes não leva mais de seis meses”, afirma Valentine Michelier, diretor de comunicação do Olgga. O projeto piloto deve ser inaugurado ainda este ano em Le Havre, região universitária no norte da França. Se der certo, o plano é espalhar esse conceito de moradia coletiva e sustentável para outro países.

Legal, não? Interessante!
Flw e T+!

Postem com a Hashtag #forçarj no Twitter e poste seu comentário sobre o que houve no Rio de Janeiro de Anteontem para Ontem: Forças da Natureza, Mudanças Climáticas, etc

Nenhum comentário:

Postar um comentário